2015-02-01

Max Planck e Singer firmam parceria para curso

A parceria entre Faculdade Max Planck e a empresa Singer, que hoje permite a contratação de estagiários de diversas áreas para treinamento em sua unidade em Indaiatuba, ganhou força, este ano, com o contrato assinado este mês, e que viabilizou a montagem do laboratório de costura para o curso de Tecnologia em Design de Moda. O anúncio aconteceu nesta terça-feira, 20, durante coletiva de imprensa. Na ocasião estiveram presentes o diretor de unidade da Faculdade Max Planck, o professor Kleber Rodrigues, a coordenadora do curso de Design de Moda, a professora Cristina Morais, e a coordenadora de Comunicação da Singer, Milena Olivati Modesto Fratin.
 
Para a Singer, investir nesta parceria com a Faculdade Max Planck visa contribuir para o enriquecimento do curso que está se iniciando agora. Com o laboratório de costura, os estudantes terão à sua disposição máquinas de costura reta, overloque, vaporizador e ferro de passar, ferramentas primordiais para sua formação prática. A Sala Singer, como é denominado o laboratório, já está pronta e conta com 10 máquinas de costura doméstica modelo Facilita Pro 5523, uma máquina Ultralock 14SH, que é para fazer acabamento, um ferro de passar roupas modelo SNG 5.12 e um vaporizador SteamWorks Pro. 
 
De acordo com a coordenadora do curso, a professora Cristina Morais, durante os dois anos da graduação o aluno terá a possibilidade de vivenciar, na teoria e na prática, as diferentes áreas de atuação de um profissional formado em Design de Moda, e atuar, com tranquilidade, em todas elas, já que a grade curricular é composta por disciplinas práticas e específicas, e abordará desde a criação até o ponto de venda, passando por áreas como desenvolvimento de coleção, laboratório de costura, desfile, consultoria, entre outras que compreendam o universo de atuação do profissional. 
 
Além disso, para que haja uma rápida inserção no mercado de trabalho, a cada módulo cursado na Max Planck, o aluno receberá um certificado, que equivale ao de assistente de Criação, que lhe possibilita, mesmo sem ter terminado o curso ainda, atuar na área, paralelo a isso, ainda há o amparo da instituição com foco para a inserção dos alunos ao mercado de trabalho, com o Núcleo de Carreiras (NUCA). 
 
As aulas ainda nem começaram e o curso já promoveu sua primeira ação. Uma das alunas inscritas para cursar Moda, a estudante Yara de Mello, foi convidada a participar de uma consultoria de imagem. A proposta, segunda a coordenadora do curso, foi mostrar como um olhar treinado de um profissional de moda pode contribuir para adequação da personalidade de uma pessoa às necessidades de seu dia a dia, ou seja, como passar a imagem que cada um gostaria ou precisaria através de vestuário, cabelo, maquiagem, em resumo, da sua aparência externa ou estética. O resultado será apresentado nesta sexta-feira, 23, a partir das 19h30, durante o lançamento oficial do curso, que acontece no espaço de convivência da Faculdade Max Planck, com participação dos alunos inscritos e parceiros da produção, que são as marcas Vizzent Calçados, Gê Beleza, Eva Maria, Gemini Store, Impacto e Nab Perfumaria.
 
MERCADO De acordo com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), a indústria da moda brasileira reúne em torno de 30 mil empresas formais, movimenta cerca de R$ 50 bilhões ao ano e emprega 1,7 milhão de pessoas de forma direta e outras oito milhões de forma indireta, e ainda representa 16,4% dos empregos e 5,5% do faturamento da indústria de transformação. Além disso, o Brasil é, atualmente, referência mundial em design de moda praia, jeanswear e homewear, e vem se projetando, também, nos segmentos de fitness e lingerie. 
 
Números do setor no Brasil - referentes ao ano de 2013 (Fonte: ABIT)
  • Faturamento da cadeia têxtil e de confecção: US$ 58,2 bilhões; 
  • Exportações (sem fibra de algodão): US$ 1,26 bilhão
  • Importações (sem fibra de algodão): US$ 6,76 bilhões
  • Investimentos no setor: US$ 1,6 bilhões (estimativa) 
  • Produção média de confecção: 9,8 bilhões de peças; (vestuário + cama, mesa e banho); 
  • Segundo maior empregador da indústria de transformação, perdendo apenas para alimentos e bebidas (juntos);
  • Segundo maior gerador do primeiro emprego; 
  • Quarto maior parque produtivo de confecção do mundo; 
  • Quinto maior produtor têxtil do mundo; 
  • Segundo maior produtor e terceiro maior consumidor de Denim do mundo; 
  • A moda brasileira está entre as cinco maiores Semanas de Moda do mundo; 
  • Autossustentável em sua principal cadeia, que é a do algodão, com produção de 1, 5 milhão de toneladas, em média, para um consumo de 900 mil toneladas;   
  • Com a descoberta do Pré-sal, o Brasil deixará de ser importador para se tornar potencial exportador para cadeia sintética têxtil mundial;   
  • O Brasil é, ainda, a última cadeia têxtil completa do Ocidente, já que produz das fibras, como plantação de algodão, até os desfiles de moda, passando por fiações, tecelagens, beneficiadoras, confecções e forte varejo;   
  • Indústria tem quase 200 anos no País.